Sobre a I Imersão Pedagógica

"Educar é como viver, exige a consciência do inacabado, porque a história em que me faço com os outros (...) é um tempo de possibilidades e não de determinismo."

Paulo Freire



O projeto político pedagógico do Colégio Santos Dumont neste ano de 2015 objetiva uma verdadeira virada ao propor a desescolarização dos antigos padrões de escola para vivenciar um novo paradigma inspirado na Escola da Ponte de Portugal.

Sentimo-nos como canta a grande poetisa Cecília Meireles em seu poema O Último Andar: "O último andar é muito longe: custa-me muito a chegar. Mas é lá que eu quero morar."

É lá que queremos chegar, neste último andar de onde é possível ter um olhar mais abrangente para o nosso educando e  ajuda- lo a tornar-se uma pessoa íntegra e feliz. 

A "I Imersão Pedagógica" vivenciada neste 4 de julho pelos educadores de nossa escola, abrangendo do porteiro à direção, representa um momento de "parada para reflexão" e consequente mudanças.

Constituiu-se numa agenda de trabalho intenso, voltada para a filosofia de valores que são radicalizados na Escola da Ponte, como: autonomia, responsabilidade e solidariedade, organizados em  três núcleos : iniciação, consolidação e aprofundamento e envolvendo as dimensões: artística, lógico-matemática, linguística, naturalista e pessoal/social.

O evento foi coordenado pela professora Guiomar Valdez e dele resultou um conjunto de tarefas propostas pelos presentes, divididos em três grupos, cujos resultados serão apresentados em assembleia aos alunos, professores e pais no próximo dia 10 para debates e planejamento do 2º semestre.

Na verdade, esta foi a primeira de outras imersões com a finalidade de, juntos, construirmos uma nova escola que fale mais alto às crianças e aos jovens e de uma forma mais bonita e significativa.

Mesmo o último andar sendo muito longe, já começamos nossa subida porque é lá que queremos que a nossa escola faça morada.

Hilda Mussa Tavares.
Diretora do Colégio Santos Dumont.

Nenhum comentário:

Postar um comentário